terça-feira, 3 de janeiro de 2012


 Leve por ser Levita, 
          leve por ser bonita, 
                     Leve por ser amor


Turgida pétala pálida
Que levecita fez-se pontear
Trazendo a graça da flor nos lábios
Zunindo em coro o abelheiro  fez –se
 Cirandas largas ao vislumbrar
...
Atem olhar a brisa andante
 na piscadela do brando ser
Coincidindo em um destino rude
Por um olhar,cantador, se ilude
Na espera do amanhecer

Levita Peron Poesia
Sina  guerreira, o bosque fez-se florir
E se o adeus, a dor me bate
E se hoje voa livre, parte
Cavalga e luta por tal sorrir!

Voa livre ave sonora,
Mas nunca olvides do teu ninho
Se as cantigas te trouxeram flores
Ao  recobrirem os corredores
Fizeram-se  alinhar o teu caminho

Deixa que em fim as pétalas mansas
Levitarem  em tua face crua
Nunca percas o dom da alma
Pois só assim terás a lua!


Andorinha... 
Nada de métrica, nada de redondilhas... sentimentos
 jogados ao vento em forma de versos crus, intensos
puros,  sinceros...

Um comentário: