quarta-feira, 27 de julho de 2011



Maktube

Confusões, indecisões, porque ambos sentimentos me consomem de tamanha maneira?
Me perseguem desde que habito este mundo tropeiro, que deixa parceiros e levam outros embora, que carrega pedaços e dilacera outros, que hoje a mim nada vigora.
Esse turbilhão de sentimentos, presentes em meu rastro, envolvido em meu aroma, cicatrizado em minhas veias, apontado em meus dedos, mascarados em minha face...
Eles me consomem, me martirizam, me sufocam, mas me erguem, pois estou aqui para relatar. De fato, a estes sentimentos atribuo a lua e o sol, fatores indispensáveis ao ser que se forma, ao homem que cresce, ao senhor que se parte.
A pouco tempo atrás me perguntava como consegui me encontrar nessa amálgama, nesse desespero. Para explicar melhor, esta sou eu, confusa, imperfeita, impulsiva, melancólica, sonhadora, carente, solidária. Uma ave andante, que mergulha horizonte a dentro, faminta pela vida que irradia nossas manhãs, e ilumina nossas noites... Sim todas essas sou eu, uns dias mais, outros menos, mas esta sim sou em.
Certo dia uma moça me descreveu, ‘’ O que te pertence de verdade, pertence a todos. És menina do mundo, do povo “. Parei para analisar sua discrição e ela realmente estava certa eu sou mesmo do mundo, e nada me pertence por inteira.
Logo, pensar que nada tenho, e o que tenho não é somente meu, fez-me refletir a solidão que esta sina havia se tornado. Comecei então a procurar por algo, a buscar algo... incansavelmente  vislumbrei todos os olhares, todas as oportunidades, todos os beijos, e após tanta procura acabei percebendo que este mundo pertence aos livres, assim como eu. Que ter alguém não significa ser completamente feliz, e que nada, nem ninguém é de tamanha importância que não se aprenda a viver sem.
Em vista disso busquei nas pequenas obras a virtude infinita para viver a vida. As conquistas foram se chegando, e hoje não busco nada, não procuro nada, apenas vivo cada momento como fosse único.
E o que acontecer daqui em diante, que seja eterno enquanto dure.


Nenhum comentário:

Postar um comentário