quinta-feira, 17 de fevereiro de 2011

Adeus ao sorriso que parte e já não sabe se volta!

Sabe, estive pensando a respeito desses episódios que vem se repetindo, dia pós dia, noite pós noite, semana pós semana!
Será mesmo que merece tanta inquietação, será mesmo que todo esse esforço vale a pena?
Eu já não sei mais, me sinto, nesse instante perdida. Certeza do que sinto, eu tenho e como tenho, mas de nada é feito de uma só alma!
E este sol que hoje não nasce, essas nuvens que elevam minha melancolia, esse cheiro de terra molhada que infiltra-se pelas minhas narinas e toma meu  cérebro.
Eu fico nesse devaneio, pra não lembrar das inúmeras palavras que transcorrem meus pensamentos atordoados de tantas fatalidades que vem transbordando em minha vida como se fossem cata-ventos fazendo seu trabalho em dia de ventania.
Os momentos fazem com que a noites pequenas, tornem-se grandes e solitárias.
Faz com que as musicas já não tenham mais sentido, e o vento sopre por soprar.
...
Mas em meio a tudo isto, me lembro que o sol é sozinho e não é por isso que ele deixa de brilhar.

Hoje não consigo desabrochar como antes, hoje  me sinto vazia!

domingo, 6 de fevereiro de 2011


Vento


Este que hoje sopra sombriamente, que me agonia em soprar...

Paz esta que por lonjuras me sufoca, me delira, transparece

Dias afanosos, tristes. Saudade!
Quem sabe já tivesse aprendido a dar mais valor às pessoas que estão próximas, mais afago aos anjos que nos protegem mais carinho aos braços que nos aquecem, mais palavras aos ouvidos que nos escutam, mais vida aos sorrisos que nos são oferecidos, mais trabalho as mãos que nos ensinam, mais amor a quem sempre nos oferece o coração!
Quiçá se soubesse usufruir mais das oportunidades, quiçá se desse mais valor aos anjos.
Eu estou os perdendo a cada dia, pouco a pouco. Eles estão se indo, sinto por perdê-los, temo em perdê-los.
Que a força dos horizontes seja magnífica ao extremo, trazendo a garra e a bravura para lutar, a saúde e a fé para seguir em frente... Que a magia dos nossos pensamentos nos traga a felicidade de mais um momento de sorrisos, mais uma imagem tranqüila, mais um fútil autógrafo, mais um momento de prazer.
Um dia desses percebi o quanto é importante a união, o amor.
Se meus dedos tivessem o poder da cura, se minhas palavras pudessem não o fazer sentir dor. Se minhas pálpebras sustentassem minhas lágrimas... Pois hoje esse dilúvio que transborda em meu semblante é pura demonstração da sangria que meu coração se encontra.
E se a gratidão me permitir, serei eterna pagante, pois amor igual a este não há e gratidão igual a esta não existe!
Bom no estado que me encontro não estou conseguindo desabafar como deveria. Vou findar agora, e numa próxima tentarei me expressar melhor.

Que tudo daqui para frente seja eterno enquanto dure!

... Ao pai que já partiu...

Katherine Hernandorena