segunda-feira, 13 de dezembro de 2010

Assim foi melhor!

Amor, nem sei se ainda posso te chamar assim!
Sabe... estes últimos três dias foram os mais longos dos meus últimos anos. Tenho a impressão de ter passado uns seis séculos ou mais, engraçado não?
E este telefone, que por mais que permaneça grudado ao meu corpo, simplesmente não da um mísero sinal... Angustiante! Jamais imaginei que seria tão difícil esperar por alguém com tamanha intensidade, pois achava eu que já havia gostado antes, mas a vida entorpece e nos mostra que tudo que havíamos pensado ou cogitado anteriormente, era ilusório. Talvez sim gostado poderia até ter gostado, mas amado... é isso nunca havia feito, sentido.
Simplesmente um sentimento único, que até poderia descrever, mas certamente faltariam palavras pra isso, faltariam argumentos e após muitas tentativas me calaria.
Insano! Lágrimas que por caírem, hoje doem, hoje são verdadeiras, hoje, estas tais lágrimas, são o reflexo do sentimento que por estar contido, na tentativa de fazer algo para que todo este caos mude, caem delicadamente como uma cachoeira berrante em seu leito.
Queria eu poder demonstrar tamanho amor que guardo, todavia parece inviável. Estas noites que não te tive para receber um  boa noite, ou até mesmo aquela mensagem que eu sabia que quando acordasse ela estaria ali... Restou-me a esperança a qual me agarro como um terço. Esperança essa que me enche de desespero a cada segundo que aguardo um sinal, uma palavra, um gesto, um oi.
Dormir já não me parece digno, ao deitar todos aqueles pensamentos me envolvem a cabeça, e ficam sobrevoando e não sei se te espero, se findo com esta angustia, eu simplesmente me perco...
Fico olhando aquelas fotos horas por dia, lembrando teus braços envoltos ao meu corpo, ouvindo nossos juramentos como se fossem óperas aos meus ouvidos, música que soa com tanta clareza que me parece realidade, é então que acordo e percebo que estou demasiada em ilusões e que nada passou de uma utopia desta minha mente frágil.
Queria tanto que entendesses tudo que até agora tentei te falar, tentei de um modo meio abstruso te demonstrar. E saiba que ainda estou tentando, eu ainda não desisti. Posso estar errada, eu mesma jurei não fazer isso, mas faço porque sei o tamanho da grandeza que é este sentimento todo aqui dentro de mim!

“ são detalhes tão pequenos de nós dois, são coisas muito grandes pra esquecer, e toda hora vão estar presentes você vai ver ”

Quando bate a saudade, eu pego as cartas eu leio eu releio, aspiro bem fundo o perfume o sei cheiro na fotografia que “nós tiramos”.
Quando bate a vontade eu fecho os meus olhos me vem o teu rosto, teu sorriso meigo a tua voz o teu rosto, ah como eu queria poder te abraçar... te tocar. Você inspira poesia, na hora do almoço, de noite ou de dia. Na fila do banco, no banco da praça, esqueço do tempo nem noto quem passa. E o tempo não passa, olhando pra lua na beira do lago não vejo à hora de estar do teu lado, deitar no teu colo poder te acariciar!
Sabe, queria te dizer inúmeras coisas, mas simplesmente a única dupla de palavras que poderia decifrar tudo o que eu sinto tudo que se passa aqui dentro de mim, tudo que me locomove, tudo que me inspira tudo que me encanta, tudo que me da forças... as únicas palavras capazes de fazer isso são:  TE ADORO... isso basta!

Graças a um amigo, que mesmo distante, mesmo sem ter me fornecido uma palavra me ajudou e muito! fez com que eu tomasse coragem e fizesse o que em minha mente estava ordenado e que meu coração palpitava em fazer ! obrigada... se quiserem conhece-lo eis o blog:  http://coisadeguri.blogspot.com/

E tenho dito! aushuahs

Nenhum comentário:

Postar um comentário