quarta-feira, 2 de junho de 2010



'Te olho nos olhos e você reclama que te olho muito profundamente. Desculpa! Tudo o que vivi foi profundamente!
Eu te ensinei quem sou e você foi me tirando os espaços entre os braços, guarda-me apenas uma fresta. Eu que sempre fui livre não importava o que os outros dissessem. Até onde posso ir para te resgatar? Reclama de mim como se houvesse a possibilidade de eu inventar de novo, desculpa. Se te olho profundamente, rente a pele, a ponto de ver seus ancestrais nos seus traços, a ponto de ver a estrada muito antes dos seus passos.Eu não vou separar as minhas vitórias , dos meus fracassos.Eu não vou renunciar a mim, nenhuma parte, nenhum pedaço do meu ser vibrante, errante, sujo, livre, quente.Eu quero estar viva e permanecer te olhando profundamente'


( Depoimento da cantora Ana Carolina)





Lá no fundo
Sabe que hoje meu maior desejo era te tocar
Sentir tua pele
Respirar teu perfume
Ouvir a tua musica
Escutar tuas angustias
Hoje, mais que nunca te queria do meu lado
Queria teu sorriso diante de meus olhos
Tua face, angelical, sobrepondo-se no luar
Queria teus passos registrados sobre as dunas
Teu semblante registrado em minhas fotografias 
Eu que sempre busquei por este alguém
Eu que de nada fazia, a não viver de aventuras
Hoje me deparo com a solidão
Com a saudade
Com a dor da perda...
Vi nos passos ressaltados na a beira mar
Tua partida, havia te perdido...
Eu necessito reviver o passado
Sei que é tarde, mas porque tantas tristezas?
Momentos únicos, recordações valiosas
Músicas, contos, poemas, batidas, a brisa tocando em minha face
A euforia relembrando teu ser
o enlouquecimento da mente, o término da concentração, 
a aceleração dos batimentos, o tremor da alma
Como posso ama tanto um ser?
E posso ter perdido-o tão facilmente?
Hoje, só queria olhar nos teus olhos
Sentir tua pele acariciar a minha
Mover teus lábios, tocar tua face,
Afagar teus cabelos, provar do teu fervor
Envolver teu corpo ao meu
Amenizar a dor que existe, permanentemente, dentro de mim
Essa dor sufocante que grita por socorro
Que ofusca horizontes, que berra inquietamente
Na verdade hoje
Eu queria-te ao meu lado!
Katherine Hernandorena